Posts Tagged 'Chuck'

Indignação do dia

nbc

Em entrevista dada recentemente Angela Bromstad, presidente do canal americano NBC falou um pouco sobre o futuro de alguma séries do canal.

Entre as renovações de The Office e 30 Rock, ela acabou falando sobre as séries que estão “na corda-bamba” [/clichê-horrível] no canal, e são elas: Chuck, Life, Friday Night Light, Heroes e Lipstick Jungle.

A informação sobre quase todas elas foi a mesma: “Blá blá blá adoramos estas séries .. blá blá blá… confiamos em seus produtores … blá blá blá… grandes chances de serem renovadas… blá blá blá… decisões na primavera“.

A única série que, no entender da presidente, está praticamente a salvo é Heroes. E é aqui que entra a indignação do título do post.

Nada contra Heroes e seus fãs, se vocês gostam dela ótimo para vocês. Mas a série já deu o que tinha que dar.!

Hã ? Ela tá se recuperando na terceira temporada ? Não sei… Desisti dela na segunda !

O que me deixa triste é ver Heroes ganhar nova chance no canal enquanto séries sensacionais (e que estão passando VERDADEIRAMENTE por momentos sensacionais) como Friday Night Lights e Chuck (a melhor comédia de 2008) ainda estão esperando confirmação da emissora.

Acredito que serão renovadas sim (quase certeza em relação a Chuck, quanto a Friday Night Lights, nem tanto), mas a renovação precoce de uma série fraca e cara como Heroes comparada à demora de um sinal verde de séries espetaculares como Chuck e Friday Night Lights me deixa MUITO triste.

Pronto ! Desabafei !
Mas juro que essa teimosia em renovar Heroes me enche. Principalmente em saber que série muito boas como Pushing Daisies foram canceladas e essa continua ocupando lugar no horário nobre da TV!

NOTAS RÁPIDAS:

– A renovação de The Office e 30 Rock já eram esperadas. Não assito The Office mas já ouvi ótimos comentários sobre ela.  Sobre 30 Rock, estou um pouco atrasado, mas pretendo me atualizar. A série é ótima. E junto com Tina Fey e Alec Baldwyn ganha todos os prêmios que participa.

Life tinha uma premissa boa, mas não me encantou, e desisti dela ainda na 1ª Temporada.

Lipstick Jungle eu nunca vi. Nem pretendo ver.

Sobe e Desce da Semana

sobe-desce1

SOBE: Chuck – Foi exibido essa semana o MLEHOR EPISÓDIO DA SÉRIE. E o caminho que trouxe ela até aqui foi muito bem trilhado, como já disse antes aqui. Só não homenageei Josh Schwartz novamente aqui porque essa semana Gossip Girl teve um episódio beeeeem mediano.

DESCE: A ABC que cancelou Pushing Daisies. A série foi o história mais criativa da TV nos últimos anos (nessa era de Spin Offs) e teve uma premiere, mesmo que curte, fantástica. Tá bom que nessa temporada ela não estava tão bem, mas nem chance por parte do canal ela teve. Séries que já desandaram há tempos como TSCC, Heroes e Prison Break tiveram/estão tendo segundas, terceiras, até quartas chances por parte dos seus canais, isso porque os mesmos sabem o potencial que elas têm e aceitam tropeções. A ABC se mostrou uma porca capitalista materialista ao cancelar uma de suas melhores séries sem dó.

Josh Schwartz – Esse é o nome (Parte II – ‘Gossip Girl’)

Josh Schwartz

Como disse no último post, dei abertura aos comentários das temporadas das séries que estou acompanhando com essa homenagem ao criador de duas delas: Josh Schwartz. Ele tem feito um ótimo trabalho em Chuck (comentado na Parte I) e Gossip Girl, da qual falarei agora.

Se me pedissem para falar brevemente da temporada até aqui eu diria: “2 episódios medianos e 8 sensacionais”. Infelizmente, quando parei de comentar da série aqui, eu só tinha assistido aos dois episódios medianos. E de lá pra cá muita coisa melhorou, e muito.

gossip-girl

Gossip Girl só não está perfeita porque o Dan ainda está vivo. Ele é a única coisa que estraga o ótimo momento pelo qual a série vem passando. Os personagens estão cada vez melhores, os roteiros estão verdadeiras obras-primas, direção, trilha, figurino…. TUDO está absolutamente impecável.

Chuck e Blair não tem nem o que falar. Sempre foram os meus motivos de assistiar a série e estão melhores do que nunca. A partir do momento que os joguinhos dos dois passaram a ser direcionados um contra o outro, a série ganhou uma nova perspectiva e eles se tornaram o casal mais estranho da TV atualmente. Eu descobri que o motivo do meu ódio pela Serena era o Dan, uma vez que, desde que se separaram, ela subiu uns 150% no meu conceito. E a sua fase de Queen S rendeu ótimos episódios (e sim, me refiro aos da Fashion Week e de Yale), pena que durou tão pouco. Rufus tá chatinho, mas prefiro esperar mais um episódio pra falar dele. Nate não está no seu pior momento, mas ainda assime espero uma trama melhor pra ele do que dormir com a Duquesa. Vanessa está tão neutra que tem vezes que eu esqueço que ela existe. O pior é que quando ela aparece, SEMPRE estraga alguma coisa pra alguém. O pior é que o bom momento da série é tamanho que até personagens como Lilly, Bart e Dorota – sim, a babá – estão ganhando destaque.

A direção continua ótima e a trilha sonora nem se fala. Só andava sentindo mais saudades das cenas externas de New York, que ultimamente se resumia à galeria, ao “terraço” do hotel da Serena e algumas cenas noturnas. Entretanto, isso foi corrigido pela cena do último episódio, na cena da Times Square.

Quanto aos novos personagens me resumo a dizer que o Aaron é um saco, seu pai eu espero algumas coisas de sua convivência com a Blair e a Kaitlin Cooper Agnes está bem, mesmo sendo uma simples participação.

Não faltou uma personagem ? Sim, a little J. Deixei ela pro final pelo seu papel nos últimos episódios: SEN-SA-CIO-NAL ! A garota puxou pra si o trabalho e tomou conta dos dois últimos episódios exibidos. Sua trama está ótima e sendo desenvolvida no ponto, sem uma superexposição. Fora que o visual rebelde a deixou mais linda do que nunca. Os episódios do “desfile de sua linha” é, sem dúvidas nenhuma, um dos melhores da temporada. A pequena Humphrey já passou pra trás Eleanor Waldorf e as outras garotas da série que se cuidem – menos a Blair, que é insuperável.

Com a sequência de episódios bons, me arrisco a dizer que The OC arranjou uma substituta a altura, e que GG é, sem dúvida nenhuma, a melhor série teen no ar atualmente.

E pra finalizar, uma coisa continua sendo ótima: a dublagem da Kristen Bell. Serena é gostosíssima, Blair, Vanessa e Jenny não ficam muito atrás, mas o meu verdadeiro amor na série é a Gossip Girl. Aquele XOXO dela me faz sonhar.

Ontem teve mais um episódio, que eu comentarei aqui ainda hoje ou amanhã, no mais tardar. Comentarei One Tree Hill, por isso, ele não terá uma postagem sobre os comentários da temporada.

Josh Schwartz – Esse é o nome (Parte I – ‘Chuck’)

Prometi falar mais detalhadamente sobre as séries que estou acompanhando. E duas das melhores são desse cara aí no título, esse cara que é, sem sombra de dúvidas, um dos maiores nomes da TV Americana.

Josh Schwartz

Foi ele que criou a melhor série teen da TV Americana, a extinta The OC. Ela marcou esse gênero na TV de forma incrível e, pelo menos para mim, dividiu a TV em ‘antes de The OC’ e ‘depois de The OC’.

Logo após o fim prematuro (?) da série de Ryan, Seth, Summer e Cia ele não se abateu e já começou a produção de duas séries: Gossip Girl (The CW) e Chuck (NBC), que estrearam no fatídico ano de 2007, o ano da greve dos roteiristas, o que atrapalhou as duas séries. Porém, elas voltaram para suas segundas temporadas em excelente forma.

CHUCK:

123456789

Chuck nunca foi uma série excepcional com uma história bem trabalhada. Ela sempre foi uma série pra você esquecer dos problemas, se divertir. Para que, nos seus 42 minutos de duração, você se divirta, ria muito e esquece do resto do mundo, pois nesse momento, só existe a Buy More.

De certa forma, ela continua assim. Já que não deixa ganchos grandes nos episódios e continua não tendo um história muito intricada. Mas que ela melhorou consideravelmente desde a primeira temporada, isso é fato. E olha que a série teve uma premiere ótima.

O elenco sempre foi sensacional e muito bem entrosado, mas com a ajuda de roteiros muito bons, como os recentes, a série tá deslanchando em sua segunda temporada. A história, mesmo sem ganchos, vem sendo cada vez mais atrativa, e os episódios, estão uns melhores que os outros. Meu TOP 3 da série é composto apenas de episódios dessa segunda temporada.

As participações espaciais estão presentes em todos os episódios, e não ficam muito atraz do excelente elenco. Vale destacar as participações de Melinda Clark (Julie Cooper, The OC) no 2×02 e Nicole Richie (Simple Life) no 2×03.

O 2×03, aliás, foi o melhor episódio da temporada até aqui. Nele temos um flashback e conhecemos mais sobre o passado da agente Sarah Walker, e temos também excelentes roteiro e direção, trilha sonora, elenco, etc.

Outra coisa a se destacar é que o Chuck está cada vez mais Charles Charmichael, se tornando um ótimo espião. Mas isso é feito de forma muito cuidadosa, para não parecer forçado e nem mudar a personalidade do protagonista.

Pena saber que está na corda bamba no NBC, por baixa audiência. Mas por favor NÃO A CANCELEM !!!

Nota da Temporada até aqui: 10

(Impossível não dar outra nota)

Gossip Girl – 2×03 – The Dark Night

Essa semana One Tree Hill conseguiu me emocionar completamente, com um dos melhores episódios da série. E se em Tree Hill foi necessário uma morte para que a série voltasse a encantar, em Upper East Side bastou um blecaute para que Gossip Girl melhorasse consideravelmente.

Tudo o que sempre houve de melhor em Gossip Girl estava presente nesse episódio: fofocas, intrigas, manipulações, Chuck, Blair e etc. Depois de uma premiere boa e um 6×02 terrível, podemos ver uma luz no fim do túnel com esse 6×03.

Se no 6×02 havia indícios de que a antiga Blair Waldorf estivesse voltando, nesse há a concretização desse retorno de B. Ela volta com tudo, manipulando, jogando, soltando suas indiretas (colocou a pulga atrás da orelha de Serena), dando uma festa (mas uma para Manhattan não esquecer), tirando proveito, etc. Enfim, a nossa odiada amada Bitch-Blair está de volta, então tenha cuidado quem cruzar o seu caminho.

Com Blair em evidente destaque, espera-se também que Chuck Bass divida os holofotes da série com ela, e de forma meio tímida, é o que acontece. Chuck ainda não está 100%, ainda sobram vestígios do Chuck visto no último episódio, mas mesmo assim, ele já mostra suas garras. Blair comanda atualmente, mas é bom se preparar, pois Chuck vem correndo por fora.

(Quando os dois voltarem ao seu máximo, talvez a série também volte ao seu.)

Nem mesmo a história de Nate foi chata. Vanessa – que faz um bem considerável a ele – participou efetivamente do drama vivido por ele durante as férias e deu um gás naquela história sem graça que vínhamos vendo desde que estreou a 2ª temporada. Outra história que ganhou um gás foi a de Jenny. Ela sempre foi muito chata na série, mas desde que começou a 2ª Temporada, ela tem evoluído muito, chegando a um ponto de maturidade que nem seu irmão chegou. Parabéns Little J.

Quanto a Dan e Serena, tudo foi como sempre: um porre. Eles definitivamente são o casal mais chato da TV. Tomara que esse fim dê outra perspectiva aos personagens. Todo o drama dos dois – salvo raros momentos – foi muito chato. Eles poderiam ter terminado o namoro na primeira cena que não alteraria em nada no episódio. Criei demasiada expectativa na cena do elevador que acabou nem dando em nada, uma pena ! Cena boa foi a do parque, quando as três garotinhas os abordam e mostram para quem torcem, uma cena bem Gossip Girl – onde se vê a essência da série.

Gossip Girl está de volta – que saudade das fofocas -, e com ela, a incrível (voz da) Kristen Bell …, Ahhhh, que maravilha !

You know you love her…. X.O.X.O, Gossip Girl !

Gossip Girl – 2×02 – “Never Been Marcused”

Gossip Girl começou muito bem, mas caiu muito no seu segundo episódio, descobri que essa é uma das séries que não se pode elogiar. Que episódio mais chato ! Um roteiro fraco, manjado, cheio de clichês (irritantes), com um desenrolar de trama sonolento, e cenas altamente previsíveis. Pegaram personagens bons e os transformaram em ruis, e pegaram os ruins e os transformaram em insuportáveis.

Chuck perdeu toda a sua graça, se tornando uma versão rica e ciumenta do Dan (Ta ! É exagero). Mas sério, a relação Chuck-Blair, que estava sendo usada de uma forma tão produtiva pelos produtores desandou demais, ficou uma coisa chata, acabando com os personagens que pertencem à ela, e nesse episódio, muito mais ao Chuck.

Tô de saco cheio dessa família real nessa história. O lorde e chato e a duquesa é insuportável. O caso do Nate com a duquesa é a coisa mais trash que eu já vi em séries teens (e trash de um jeito ruim), e aquele lorde dá vontade de dar um tiro na cabeça toda vez que ele aparece.

Dan e Serena chegaram ao cúmulo do insuportável. Quando pensamos que uma coisa já está ruim o suficiente, eles conseguem (por incrível que pareça) piorar. Mas me dá alegria de saber que pior que isso não fica (porque é impossível). A única coisa que salvou foi a cena da Serena comendo aquele melancia morango no ônibus. OMFG! Ai meu pobre coração !

A única coisa que salvou a série de ser excluída permanentemente da minha lista de séries foi a Blair. Claro que ainda ta longe de ser aquela Blair da primeira temporada, mas já está chegando muito perto. Ela dizendo: “Foi só mostrar a ela quem eu sou que deu tudo certo” me fez dar um sorriso (ao menos) no episódio.

Porque Gossip Girl é uma série que tem tanto potencial, mas nunca decola ?

Seriamente, nem crio expectativas em torno do 6×03.

Gossip Girl – 2×01 – “Summer, Kind Of Wonderful”

Vou começar esse review me explicando sobre o motivo dele ter demorado tanto a sair (sendo que o episódio foi exibido na segunda e eu o assisti na terça): eu simplesmente não tinha uma opinião formada sobre ele. Precisei vê-lo três vezes. As vezes eu o odiava e outras eu o adorava.

Quando eu assisti o episódio pela terceira vez eu já estava cansado de pular desses extremos (amor e ódio) tão rapidamente, e foi aí que me caiu a ficha: ISSO é Gossip Girl. Ame-a ou odeie-a. Isso fica evidenciado na chocante publicidade da série. E, ao assistir o episódio sob esse prisma, só me veio uma coisa a cabeça: OMFG, que episódio maravilhoso !

O episódio começa meio ruim, pois nos deparamos com nossos personagens preferidos lidando com novos dramas, e nesse momento só uma pergunta nos vem à mente: E o que aconteceu com os dramas mal-resolvidos da temporada passada ? O que aconteceu com aquele bando de pontas-soltas que os produtores deixaram ? Como ousam começar novas histórias deixando as velhas sem final ? E é nesse ponto que você começa a odiar o episódio. Pois você passa a ficar perdido na história, se sentindo como se tivesse acabado a começar a ver a série, mesmo a acompanhando desde a 1ª temporada. Tudo ali parece novo. Mas uma coisa milagrosa acontece.

Com mais de 20 minutos de episódio (ou seja, mais da metade), você começa a ver os mesmos dramas da temporada passada surgirem, e você percebe que eles sempre estiveram ali, desde o primeiro minuto. Por vezes disfarçados, vezes escondidos, afinal, muitos personagens passaram por coisas que gostariam de esconder nas férias. Mas com o fim iminente do verão, eles surgem com toda força. Então você passa a amar o episódio, pois percebe que, numa tacada de mestre, os produtores, deram continuidade aos dramas da última temporada, e ao mesmo tempo, introduziram nossos personagens para mais uma temporada cheia de novos dramas.

E agora vamos ao episódio em si.

A princípio, vale destacar que a idéia de se fazer esse  episódio de verão foi ótima. Hamptons dá um novo ar para  a série, e deixa um clima mais cool no ar. Jenny está  mudando e – incrivelmente – deixando de ser chata, e  tomando mais destaque. Blair não está no seu auge. Ver B.  Waldorf fragilizada por uma paixonite é meio ruim pra sua  moral, mas o bom é que você ainda percebe um pouco da  Blair antiga dentro daquela capa. Chuck está melhor do que  nunca. Seu lado ciumento veio pra melhorar ainda mais o  personagem, e o fato dele ter deixado o medo de assumir  seus sentimentos em público dá uma nova perspectiva a essa temporada. Nate está com uma storyline muito fraca. O romance-com-mulher-mais-velha-que-não-vai-dar-em-nada-só-confusão é uma coisa que já me encheu, espero que ele encontre o seu caminho no decorrer da temporada. Serena e Dan não mudaram nada com relação à primeira temporada, ou seja, continuam chatos demais. A Serena até que está melhorzinha, e em alguns momentos, cheguei até a me divertir com ela. Mas já o Dan, continua um porre e não tem vocação nenhuma para playboyzinho pegador.


Uma dúvida:
Onde está Vanessa ? Estou com saudades dela, que mal a falta dela fez ao Nate.

Depois de muita dúvida e de me bagunçar a cabeça toda, eu assumo, esse 2×01 é um dos melhores episódios de Gossip Girl até agora. Que a série consiga manter o ritmo.

DESTAQUE DO EPISÓDIO: Chuck Bass, seu lado ciumento, e o seu novo cúmplice: Eric.

FRASE DO EPISÓDIO: “Não sei se você sabe, mas Blair adora uma limusine”. – Chuck Bass

NOTA DO EPISÓDIO: 9,7